PCP Esposende constatou a ocupação abusiva da praceta da praia de Ofir em Fão

PCP Esposende constatou a ocupação abusiva da praceta da praia de Ofir em Fão

- emLocal, Notícias
938
0

A Comissão Concelhia do PCP visitou a Praia do Ofir e constatou o que qualquer veraneante pode observar: o espaço público da Praceta ocupado por duas escolas de surf, instaladas em dois contentores cedidos por contrato de comodato, de acordo com informação da Câmara Municipal de Esposende. Considerando que as escolas são empresas privadas com fins lucrativos porque se mantém esta situação? Porque não têm instalações próprias? De ano para ano, verificamos que a ocupação da praceta é cada vez mais invasiva. Um dos contentores dispõe de chuveiros onde os praticantes de surf tomam duche, espalhando-se as águas pela área pública ficando empoçada. Os pilares da pérgula, mobiliário urbano, servem de base a um expositor de fatos; à frente do seu contentor, cada escola esforça-se por fazer o seu melhor markting … enfim quem vai à praia de Ofir parece ter de atravessar um espaço privado e pedir por favor para aceder ao areal.

A Comissão Concelhia do PCP pergunta porque foi arrenegado o embelezamento da zona balnear da praia de Ofir? Porque está a ser tão maltratado um projeto de arquitetura que contemplou, para além do arranjo dos passeios da avenida, a criação de uma praceta calcetada e a colocação de uma pérgula para criação de uma área de sombra? Porque estão atualmente estes espaços a servir empresas privadas? A Câmara Municipal de Esposende tem responsabilidade nesta usurpação do espaço público. Porque o permite?

Também, vários munícipes têm reportado à Comissão Concelhia do PCP de Esposende situações de falta de higiene dos sanitários existentes. Num período de exigência de maior cuidado de higienização, verifica-se que os sanitários não primam pelas condições de salubridade. A Praia de Ofir, com a afluência de pessoas que tem, merecia instalações sanitárias maiores e com permanente controle da sua higienização, bem como um sanitário adaptado a pessoas com baixa mobilidade.

O PCP não pode deixar de denunciar publicamente a falta de zelo e cuidado das entidades competentes para assegurar, de forma permanente, a higiene e limpeza dos sanitários e denunciar a passividade da Câmara Municipal face à ocupação do espaço público pelas escolas de surf.

Esta é uma exigência de um município privilégio da natureza!

Comentários Facebook

Comentários

 

Artigos relacionados