PSD Esposende afirma que o PS anda desorientado e confuso

PSD Esposende afirma que o PS anda desorientado e confuso

- emNotícias, Política
17
0

Depois de ter confundido “Alteração” com “Revisão” do PDM, o PS de Esposende volta a incorrer em equívocos próprios de quem está na política sem seriedade, apesar de reclamar a exclusividade desse traço de caráter.

Perante os argumentos evocados pelo PS Esposende, a propósito da instalação do Centro de Negócios, fica claro que os “responsáveis” dessa força partidária fazem tese das conversas de café e avançam com firmes certezas das panaceias a que já habituaram os esposendenses. O seu descrédito é quantificável e não será este despertar tardio para o discurso populista que alterará a opinião que os esposendenses têm dos dirigentes socialistas.

Como em relação ao PDM, em que o PS de Esposende “mete os pés pelas mãos”, recorrendo às suspeitas veladas que começam a vincar o seu ADN, também em relação ao Centro de Negócios, o responsável do PS Esposende revela um desconhecimento total. Melhor: revela que frequenta certos círculos que assentam o discurso nas modernas “Fake News” que nada mais são que a forma moderna de legitimar mentiras ditas repetidamente.

Começa mal o PS, num comunicado em que garante que “a Câmara Municipal de Esposende comprou há cerca de seis anos, por mais de seiscentos mil euros, um terreno em Esposende para construir um chamado Centro de Negócios”.

Não há uma segunda oportunidade para causar uma primeira boa impressão!

A Câmara Municipal de Esposende comprou um terreno, mas não aquele que o PS refere e o líder do PS, enquanto membro eleito da Assembleia Municipal, tem responsabilidades acrescidas. A Câmara Municipal tem investido na compra de terrenos naquela zona, para levar por diante um projeto estruturante para o concelho que passa pela construção das instalações para acolher o IPCA, um Multiusos e onde ficará, também, o edifício definitivo do Centro de Negócios.

O terreno do qual o Município é, de facto, proprietário não confronta com a Estrada Nacional 13 e é zona de construção, com uma cércea de cinco (5) pisos, não tendo, por isso, qualquer impedimento de construção. E foi adquirido com base numa avaliação prévia.

Assim, o mais recente comunicado socialista é outra fábula, na linha a que o PS habituou os esposendenses, incorrendo nos erros do costume e nos devaneios sobre um “grupo identificado”, fantasma que persegue o PS de Esposende e o seu líder, há longas décadas.

Sobre valores imobiliários, o PS está algo desatualizado. O prédio onde o Município de Esposende vai instalar o Centro de Negócios, no Largo Rodrigues Sampaio, tem 780 metros quadrados, situado na zona mais nobre da cidade e é o único disponível com as caraterísticas necessárias para acolher os serviços associados ao Centro de Negócios.

As contas do PS Esposende estão empoladas (porque assim interessa), omitindo o facto de, desde junho de 2018, até à presente data, o Município de Esposende não ter pago qualquer renda pelo prédio situado no Largo Rodrigues Sampaio, por acordo entre as partes.

Devemos esclarecer que as obras em curso no prédio do Largo Rodrigues Sampaio destinam-se à adaptação necessária, para cumprir as funções destinadas. Reforçamos que se trata de um prédio com 780 metros quadrados, situado no centro de Esposende e não uma pequena loja.

Para além de Centro de Negócios, o prédio acolherá alguns serviços do Município, poupando em rendas em outros edifícios.

Constatamos, com tristeza, que o PS Esposende apenas reconhece como “investimento nas freguesias” a obra na estrada ou na escola. O futuro Centro de Negócios constituirá uma peça fundamental no desenvolvimento de Esposende, inserida no projeto Smart City que pretende projetar o concelho em todos os domínios, mas onde o coworking e o apoio ao empreendedorismo incentivará o aparecimento de novas empresas. Ao assumir desconhecimento sobre as funções de um Centro de Negócios, o líder do PS demonstra nada saber sobre políticas de apoio às empresas e aos jovens empresários do concelho.

Quando refere o “esbanjar de dinheiro público”, o PS revela a pequenez de quem não convive com o sucesso alheio com a instalação de novas empresas e o apoio a outras já existentes. O PS desconhece a evolução económica do concelho que, desde que o atual presidente assumiu a liderança do Município foi considerado, por cinco vezes, um dos melhores a nível nacional e em quatro (4) anos foi o melhor do distrito, em termos de eficiência financeira.

Não se alarme, pois, o PS com a eventual falta de espaço para o circo montar a tenda. De resto, o PS já protagoniza números de circo suficientes para entreter a população.

Esposende, 17 de outubro de 2019

A Comissão Política da Secção de Esposende do PSD

Comentários Facebook

Comentários

 

Artigos relacionados